domingo, 22 de agosto de 2010

Um vinho que é um vinho

Este é um daqueles vinhos que me reconcilia com o mundo.

Vejam bem, não é nada de particularmente especial (ou de especialmente particular!), ele é simplesmente o que tem que se esperar de um vinho: ser um vinho.

Para simplificar o conceito não vou falar nem em aromas e palato, mas sim em cheiro e sabor. Este tem cheiro de vinho e sabor de vinho.

Nada de baunilha e caramelo, nada de madeira ou de serragem na boca. Mas vinho.

É um 100% Tinta de Toro (ou Tempranillo), de corpo médio/leve, tem 14 meses de estágio em carvalho e 14% de álcool, taninos finos e boa acidez, mas nada sobressai. Tudo muito bem equilibrado. Mesmo tendo sua complexidade, eu o definiria como um vinho simples, mas não em sentido de fraco, quanto em sentido de essencial na própria tipicidade.

Um vinho complexamente simples.

Sei que este post pode parecer meio filosófico e contorcido. Mas quem gosta de vinho de Velho Mundo vai me entender.

Voto gringo: 6 ½




Vinho: Vega Sauco “Piedras” Crianza
Safra: 2005
Produtor: Bodegas Vega Sauco
País: Espanha
Região: Toro
Importadora: Ravin
Custo médio: R$ 49,00

Um comentário:

  1. Interessante! vinho com gosto e sabor de vinho, adorei...abraços.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...