sexta-feira, 29 de março de 2013

O mais subestimado top chileno


Este vinho seja talvez o mais esnobado entre os tops chilenos. Não tem o apelo do Almaviva, a internacionalidade do Clos Apalta, a fama do Dom Melchor, a tradição da Montes, a badalação do Seña. Não tem nem o preço deles, sendo mais em conta que todos deste grupinho. Talvez este seja um dos fatores pelo qual o enochato não compra, sendo que ele gosta é mesmo de gastar muito. Outro fator é que é um tinto um pouco diferente dos ícones chilenos, pois prioriza mais a elegância no lugar da potência, e nós sabemos que o consumidor de tops novomundistas prefere vinhos mastigáveis e macios.
Então se você é deste tipo de consumidor, segue a dica: este vinho não é para você. Já se você gosta de um estilo mais europeu, tradicional e refinado, recomendo provar o Domus Aurea 2008 , da  vinícola Clos Quebrada de Macul
Eu pelo menos gostei bastante, e, aparentemente, até o guia Descorchados 2013 me deu razão, elegendo justamente o 2008 que eu provei como o melhor tinto sul-americano do ano.

A vinícola é relativamente recente, fundada em 1995. Seus vinhedos no Alto Maipo forneciam as uvas para muitas das vinícolas da região, até que o dono do terreno (o advogado Ricardo Pena) resolveu fundar sua própria empresa, junto com seu sócio David Williams. Os enológos envolvidos no projeto (Patrick Valette e Jean-Pascal Lacaze) foram “importados” diretamente de Bordeaux, e em poucos anos a vinícola, com produção de boutique, cresceu em qualidade e reconhecimento,

O Domus Áurea é o top da casa e é basicamente um Cabernet Sauvignon, cortado à la manière bordelais. Agora, corte bordalês quase todo vinho chileno tem, mas este foi o que mais me remeteu a Bordeaux mesmo. Aromas de cassis, alcaçuz, terra molhada, com notas de eucalipto, evoluindo para couro e tabaco. O volume não é de encher a boca, tem textura lisa, com taninos pronunciados e acidez viva, que o torna bastante gastronômico. O álcool, embora alto, é imperceptível.
Vinhão.

Vinho:
Domus Áurea
Safra:
2008
Produtor:
Clos Quebrada de Macul
País:
Chile
Região:
Alto Maipo
Uvas:
86% Cabernet Sauvignon, 7% Merlot, 5% Cabernet Franc, 2% Petit Verdot
Alcoól (Vol.)
14,5%
Importadora:
Zahil
Custo médio:
R$ 240,00
Notas:
RP 93; WS 92; DES 96

4 comentários:

  1. Maravilhoso, Mário! Tenho um 2001 por abrir...
    Um abraço.
    Antônio Meirelles

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antônio, então abra logo, deve estar no pontinho...
      Obrigado pela visita, abraço!

      Excluir
  2. Gostei do seu comentário - infelizmente tem muitos que se dizem " enófilos", mas compram um vinho por seu preço e fama e deixam de experimentar grandes vinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kelly, obrigado pela leitura e pelo seu comentário, fico feliz que concordou comigo.
      Abraço

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...