domingo, 25 de agosto de 2013

Confira os destaques do Decanter Wine Show 2013

Vamos com mais um relato de um grande evento: Decanter Wine Show 2013 (Rio). A passada edição (relembre aqui) foi dedicada ao Velho Mundo, já neste ano a importadora veio apresentar seus rótulos do Novo Mundo (26 produtores e mais de 160 vinhos em degustação).
Infelizmente não pude aproveitar o evento da forma que teria gostado, pois cheguei tarde e fui embora cedo por causa de outros compromissos, de qualquer forma consegui provar e comprovar a qualidade de vários rótulos.

O papel de protagonista foi certamente preenchido pelo Hess Family Estate, grupo suíço proprietário de varias vinícolas nos 4 cantos do planeta, presente no evento com a Amalaya e Colomé da Argentina, Glen Carlou da África do Sul, Peter Lehman da Austrália, Artezin, Sequana e Hess Collection dos Estados Unidos. Entre eles, destaque pelo Amalaya (Bolso Esperto), o Pinot Noir Sundawg de Russian River da Sequana e a linha inteira da Hess Family, particularmente os 3 cabernets: Select, Allomi e Mount Veeder (pessoalmente prefiro o do meio) .

Indo para os outros, entre hermanos argentinos além de velhos conhecidos como Luigi Bosca (sou o único que não consegue mais gostar dos vinhos dele? Nem o Icono me conquistou!), Riglos e Família Schroeder (Saurus), o destaque vai para os vinhos da tradicional Viña Alicia: particularmente a linha Paso de Piedra, o malbec Brote Negro e o blend Cuarzo, além de um insólito Nebbiolo (totalmente diferente dos italianos, mas bastante saboroso).

Para o Chile vou fazer um único nome: De Martino. Uma das vinícolas que mais sabe expressar o terroir chileno sem frescuras ou “exageros” de muitos dos colegas conterrâneos. Os vinhos são muito elegantes e gastronômicos, quase todos de vinhedos únicos. Destaque para o cabernet sauvignon Las Aguilas, o syrah Alto los Toros e o carmenere ícone Armida. Melhor ainda é o corte Las Cruces.
Da Nova Zelândia, notas de mérito para a Craggy Range, especialmente para seu pinot noir Te Muna e o corte Sophia.



Mas o produtor que mais me impressionou sobre todos os presentes foi o australiano Kilikanoon. São vinhos ricos e macios, perigosamente agradáveis Particularmente gostei dos 2 grenache (o Prodigal e o The Duke), mas a linha de shiraz (Killerman’s Run, Covenant e Oracle) também não fica atrás.



Entre os brancos provados destaco o Albarino da uruguaiana Bouza, o Riesling Art Serie Classic da Peter LehmanSauvignon Blanc Allomi da Hess.



Parabéns mais uma vez para a Decanter pela boa organização do evento e pelo seu belo catálogo. 

2 comentários:

  1. Grande Mario,
    Ótima seleção! Infelizmente este ano não fui ao Decanter Wine Show. Concordo plenamente com você em relação à De Martino. Os vinhos são bons, pouco badalados e têm preço mais atraentes que muitos de seus irmãos chilenos. Da Argentina, gosto também da Viña Alícia. Apesar de potentes, os vinhos são muito particulares e muito bem feitos. Da Austrália, os Kilikanoons realmente impressionam. Preciso experimentar os Grenache deles. Com a sua opinião, vou apressar a compra de umas garrafas que vi em promoção em uma loja da vizinha Ribeirão Preto.
    Grande abraço,
    Flavio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Flavio,
      Que bom que concordou com as minhas indicações. Quanto aos grenaches da Kilikanoons, se achou em promoção compre sem hesitações, depois me fale o que achou.
      Forte abraço!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...