segunda-feira, 30 de junho de 2014

Já provou um Pinot Noir de Portugal?

Quando o sempre atento amigo Tom Meirelles me apresentou este vinho fiquei bem curioso, pois não tenho lembranças de pinots lusitanos. Inclusive na última edição da Expovinis em São Paulo visitei o estande da importadora e provei uns vinhos da vinícola em questão (DFJ), mas não lembro de ter experimentado este rótulo.

José Neiva Correia, um dos enólogos que mais assinou vinhos em Portugal, resolveu fundar a sua própria empresa em 1998 e hoje possui 33 marcas com uma produção anual de 6 milhões de garrafas, 90% delas exportadas, especialmente na Inglaterra onde a vinícola é uma das líderes do mercado.

Vamos ao vinho: DFJ Grand' Arte Pinot Noir 2006. De fato não é comum encontrar um Pinot Noir em terra português e quando vi que a garrafa tinha mais de 8 anos fiquei um pouco duvidoso sobre o estado do líquido. Mas fui pontualmente desmentido pela prova, afinal a linha Grand Arte é uma das super-premium da vinícola, e o vinho tinha ainda fôlego para evoluir mais.

Da região de Lisboa, precisamente Estremadura, é um varietal 100% que estagia 9 meses em barricas de carvalho francês, mais 3 meses em garrafas antes da comercialização.

O vinho é bastante estruturado e complexo tanto no nariz quanto na boca, percebem-se notas de evolução, mas, como disse, continua firme e forte. A fruta silvestre evolui para couro, cacau, canela e toques defumados. Na boca é potente e mais encorpado que os demais pinots, com textura aveludada e taninos macios. A boa acidez permitiu a conservação e o final persistente fecha belamente este tinto diferente e muito interessante.
  

Vinho:
Grand' Arte Pinot Noir
Safra:
2006
Produtor:
DFJ Vinhos
País:
Portugal
Região:
Lisboa – Estremadura
Uvas:
100% Pinot Noir
Alcoól (Vol.)
14%
Importadora:
Lusitano Import
Custo médio:
 R$ 70,00

A Quinta

Os vinhedos de Estremadura

O enólogo/proprietário José Neiva Correia


6 comentários:

  1. Tem vinhos que só podem ser degustados com os grandes apreciadores. Esse, em especial, foi degustado com duas pessoas que não apreciam os "Pinots" e foi bem elogiado por ela que como elogio disseram "não parecer Pinot". Boa experiência. Um abraço. Tom Meirelles

    ResponderExcluir
  2. Muito bem colocado, Tom. Tinha esquecido de citar este detalhe importante. Obrigado sempre. Abraço

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Descobri seu blog recentemente e estou muito interessado nas matérias passadas e nas futuras. Parabéns, ganhou um seguidor, ávido por aprender cada vez mais sobre esse maravilhoso mundo. Tomo vinho há alguns anos, mais em 2014 resolvi mergulhar de cabeça. Grande abraço, FP.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frederico, muito obrigado pelo seu comentário. Fico muito feliz com suas gentis palavras: pra mim é uma enorme satisfação poder contribuir.
      Forte abraço!

      Excluir
  5. Acompanho as ideias e vontades do Frederico.
    Por isso ajudei a criar a wivini

    Em relação aos vinhos da Estremadura aconselho o Chocapalha Reserva Tinto Vinha Mãe

    Cumprimentos

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...