domingo, 30 de setembro de 2012

Um tinto e um branco orgânicos


Emiliana é a maior produtora de vinhos orgânicos do mundo. Fundada em 1986, foi pioneira no Chile em quesito de vinhos naturais e a primeira a receber os selos de certificação de produtor orgânico e biodinâmico. Hoje a vinícola possui vinhedos em várias regiões do Chile, todos conduzidos de forma natural, sem utilização de adubos, ou química. Seu vinho super-premium Coyam, no lançamento de sua primeira safra (em 2003), já foi logo elegido melhor tinto do Chile no Annual Wines of Chile Awards (quem tiver curiosidade pode prova-lo na nossa próxima degustação no Espaço – veja aqui)

Aqui gostaria de falar sobre dois exemplares (um tinto e um branco) da linha Novas, uma série intermediaria, embora rotulada como Gran Reserva: bebi o tinto Carmenere-Cabernet 2009 e o branco Chardonnay 2011,

O tinto procede do Vale de Colchagua, sendo um corte de 85% de Carmenere e 15% Cabernet Sauvignon, maturado por 12 meses em carvalho francês. Logo depois de aberto o vinho estava com aromas fechados e nem tanto agradáveis e na boca também mostrou certa dureza e álcool em excesso (14,5%). Mas depois de uma boa areação (cerca de uma hora) o amiguinho se transformou completamente. Começaram a aflorar belos aromas de cereja e ameixa, com notas tostadas e um toque apimentado; o paladar também ganhou em fruta e maciez, o álcool sumiu e adquiriu mais acidez.

O branco vem de um dos melhores (se não o melhor) terroirs chilenos para brancos: Vale de Casablanca. Varietal 100% chardonnay, 30% do vinho faz um estágio de 4 meses em madeira francês. No nariz tem bastante fruta cítrica, limão, abacaxi e maracujá e uma leve nota mineral; na boca muita acidez (talvez demais), mas um final redondo. 

Importados pela World Wine - custo médio R$ 45,00

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...