sábado, 19 de novembro de 2011

3 excelentes tintos sul-africanos

Tá ok, eu sei que os vinhos da África do Sul costumam geralmente ter uma boa relação custo/prazer, e que não é preciso gastar muito para adquirir um sul-africano de boa qualidade. Até R$50 conseguimos um bom número de garrafas agradáveis. E, pessoalmente, se for gastar mais de R$100, prefiro escolher garrafas do Velho Mundo.
Mas vale lembrar que a vinicultura Sul-africana é a mais antiga do Novo Mundo, então será que não vale a pena investir um pouco mais e ver o que acontece?

Em uma recente degustação promovida pela Casa Flora tive a oportunidade de provar 3 rótulos da excelente vinícola Plaisir de Merle. Uma das mais antigas casas vinícolas da África do Sul: em meados de 1600 o francês Charles Marais, foragido da perseguição religiosa aos protestantes, se estabilizou na região de Paarl, dedicando-se a viticultura.
Hoje a vinícola produz praticamente uma única linha de vinhos premium mono-varietais, mais um top de gama acima. Ou seja: não há vinhozinho entry-level barato.
A importadora traz pro Brasil 2 dos 8 mono-casta, o Cabernet Sauvignon e o Shiraz, e o ícone Grand Plaisir, um corte de várias uvas. Degustamos os três, e realmente são vinhos impressionantes, de grande estrutura e com bom potencial de envelhecimento.

O Plaisir de Merle Shiraz 2008 é basicamente um vinho modernista, mas com toques retrô. Fruta abundante e deliciosa e as especiarias típicas da casta, com um toque defumado vindo do estágio de 12-16 meses em carvalho. Potente, mas muito equilibrado (o álcool de 14.5% não apareceu em momento algum). Taninos saborosos e finos e um longo final (R$115,00)



Já o Plaisir de Merle Cabernet Sauvignon 2008 tem mais cara de Velho Mundo, lembrando um bom Bordeaux. Fruta menos presente e taninos um tanto mais robustos. Alcaçuz, notas vegetais e chocolate amargo. Com o mesmo tempo de maturação em barricas leva pequena parcelas de Merlot e Petit Verdot. Álcool 13.5% e ótima acidez. Um vinho definitivamente mais gastronômico (R$115,00).

Encerrando com o top Grand Plaisir 2007, que não custa muito mais (R$135,00).
É um corte de Cabernet Sauvignon (40%), Petit Verdot (18%), Malbec (6%), Cabernet Franc (15%), Shiraz (15%) e  Merlot (6%). Muito complexo nos aromas e no paladar. Vem se mostrando em várias camadas e a cada gole da para perceber algo diferente. Cerejas e ameixas em compota, baunilha, tem bom volume de corpo e textura super-aveludada. Muito equilibrado entre álcool (14%), acidez, madeira (16 meses, mas com presença suave) e taninos docinhos. Final prolongado.


Resumindo: 3 ótimas escolhas, cada uma com uma proposta diferente; o preço é um pouco superior aos sul-africanos que o consumidor médio costuma comprar, mas valem muito a pena. Ah, justo para acrescentar: os três ganharam várias medalhas em concursos internacionais e os três possuem 4 estrelas no South African Wine Guide.

2 comentários:

  1. Acabo de visitar a Africa do Sul e fui recebido na Plasir de Merle.
    Fiquei encantado com o que vi e com os vinhos que bebi.
    Concordo com suas descrições e em breve publicarei algo sobre essa visita no blog.

    Abcs

    ResponderExcluir
  2. Eduardo, a sua viajem deve ter sido uma maravilha!
    Fiquei feliz que concordou com as minhas avaliações.
    Muito obrigado pela visita e pelo seu comentário.
    Abraço!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...