sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Villa Matilde: por que não fui antes?

Em minha recente e brevíssima passagem pela minha terra aproveitei para visitar uma vinícola da minha região que ainda não conhecia. Conhecia os vinhos, é claro, mas ainda não tinha tido a oportunidade de visitar pessoalmente a empresa. E olha que fica a somente a 40 km da minha casa, que vergonha pra mim!
Villa Matilde é uma das vinícolas mais tradicionais da Campania, líder na produção das mais antiga denominação de origem do mundo: o vinum falernum.
Como vimos aqui o Falerno era o vinho mais celebrado pelos antigos romanos, citado por poetas e escritores como Plínio e Cícero. O advogado e cultor de vinhos antigos Francesco Paolo Avallone tinha lido em livros antigos sobre este lendário vinho e decidiu traze-lo de volta à vida: com a ajuda de alguns pesquisadores da Universidade Agraria de Nápoles conseguiu localizar as poucas cepas de videiras sobrevividas à praga da filoxera, as recuperou e re-implantou. Dai começou a historia da vinícola Villa Matilde.
Hoje a empresa possui 3 propriedades na Campania onde produz vinhos das D.O.C.s mais prestigiadas da região, como Falerno del Massico (branco e tinto), Greco di Tufo, Fiano di Avellino, Taurasi, e vários IGT (e um ótimo azeite).
A visita à vinícola foi muito prazerosa. O local é bastante bonito e acolhedor e fomos muito bem recebidos. No meio dos vinhedos fica o resort, com piscina, equipamentos esportivos e cavalos. Do lado, algo pra mim mais interessante (sobretudo naquela hora): o restaurante. Acomodado em uma das bonitas salas fui conquistado por um almoço de primeira, tudo feito com produtos artesanais (a maioria auto-produzidos) e vinhos de excelente qualidade. Precisamente, 4 rótulos da denominação que deu celebridade à vinícola.
Comecei com um Falerno del Massico Bianco D.O.C. 2010, falanghina 100%, leve mas complexo, com notas de flores brancos, abacaxi e limão.
Prossegui com um outro branco da mesma doc, mas de vinhedo único, o Caracci. Sem sombra de duvida um dos melhores brancos provados nos últimos tempos. De safra 2008 estava ainda em plena forma, tendo estrutura capaz de evoluir pelo menos uns 10 anos. Novamente falanghina varietal, fermentado pela metade em carvalho. No nariz aos aromas do anterior se adicionaram pessego, sálvia, manteiga, baunilha, nozes. Na boca grande volume, aveludado, acidez perfeita e longa persistência.
A seguir um Falerno del Massico Rosso (tinto) DOC 2010, feito com aglianico (80%) e piedirosso (20%). Maturado 50% em barricas e 50% em barris grandes por 10/12 meses. Aromas de ameixa e cacau, na boca um corpo médio, acidez que qualquer novomundista invejaria e taninos um tanto “rústicos”, mas de qualquer forma gentis. Ficou ainda melhor quando acompanhado por carne.
Terminando, com o tinto mais representativo da vinícola. Assim como para o branco, veio o tinto da mesma doc, mas de vinhedo único e qualidade superior: o Camarato. Produzido com o mesmo corte de uva, matura 18 meses em barricas igualmente dividas em 1°, 2° e 3° uso, mais 18 meses de afinamento em garrafa. Impressionante bouquet de fruta silvestre, pimenta preta, chocolate e café. Na boca é muito estruturado e complexo, rico e persistente. Taninos abundantes, mas finos e equilibrados por ótima acidez. Para os viciados em notas tem 93 pontos do querido Bobby Parker e 3 bicchieri do Gambero Rosso.

Enfim, foi uma bela tarde com ótima comida e ótimos vinhos, e agradeço aqui publicamente a equipe inteira pela eficiência e calorosa  recepção.

Os vinhos da Villa Matilde são importados no Brasil pela Vinissimo.

Veja abaixo algumas fotos.

Vinhedo de falanghina
A uva em questao

A uva deste vinhedo produz um passito 
Eu fingindo interesse quando na verdade estava louco para comer!
A vinícola e o Resort


Repare no lustre do restaurante!
Olhe que original o pãozinho em formato de cacho de uva!


As reservas de família 

Eu com o dono da vinicola, sr. Salvatore Avallone, de extrema gentilez

















0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...