terça-feira, 1 de maio de 2012

Veja como foi o evento dos tops italianos


Semana passada tive o privilégio de participar do Road Show do Gambero Rosso, evento itinerante promovido pela homônima publicação, que leva ao redor do mundo uns dos nomes do vinho mais importantes da Itália e que na sua 5ª edição chegou pela primeira vez ao Brasil (São  Paulo e Rio).
O evento era fechado somente para convidados (profissionais e personalidades do setor) e mais uma vez o MondoVinho não ficou de fora e esteve lá para contar a vocês como foi a edição carioca. Aconteceu no Hotel Sheraton do Leblon: o lugar bonito e os amplos espaços foram uma moldura perfeita para o sucesso da manifestação. Cerca de 50 produtores presentes e mais de 200 vinhos em degustação livre.

Seria até banal destacar o Barolo Dagromis do Gaja, os Amarones do Masi e de Bertani, grandes supertoscanos como os sensacionais Grattamacco, o Magari, novamente do Gaja, e o Soldi di S.Niccolò (este último de Castellare di Castellina é um supertuscan sui generis, sendo um corte de Sangioveto e Malvasia Nera).

Então vamos falar de vinhos mais diferenciados: você conhece Lambrusco e acha vinhozinho meio sem graça, não é? Ok, agora experimente o Concerto, Lambrusco Reggiano da Medici Ermete: vai mudar totalmente de opinião. Complexo, com borbulhas leves e delicadas e até um pouco tânico. Vinhedos selecionados, produção minúscula e vinificação cuidadosa fazem deste Lambrusco um fora de série do genro. Senão não teria ganhado os 3 bicchieri pelo Gambero Rosso. Obviamente mais caro que a maioria de lambruscos que encontramos por aí, mas vale a pena para quem gosta do estilo frisante.
No mesmo estilo e qualidade o Lambrusco da Cantine Ceci.

Sempre da regiao de Emilia-Romagna a Poderi dal Nespoli, com seus vinhos realmente surpreendentes: especialmente o Nespolino Rosso, corte de Sangiovese-Merlot e o Prugneto, feito com Sangiovese Grosso (a mesma casta do Brunello): um melhor que o outro, e, sobretudo, baratos!

Outros vinhos que me deixaram bem feliz em questão de tipicidade foram o Nobile di Montepulciano e o Sagrantino de Montefalco da Fattoria del Cerro, o Vitiano da Falesco e o Montepulciano Riserva Conero Cùnaro da Umani Ronchi - desta ultima bom também o Pélago, da região de Marche - e uma novidade da Rocca delle Macie, o Chianti Classico Riserva di Fizzano.
A vinicola Planeta, da Sicília, é uma minha velha conhecida, especialmente pelo Santa Cecília, mas não conhecia o Cometa, um belo exemplar da casta Fiano fora de seu natural terroir.

E voltando ao Piemonte, um belíssimo Barolo Bricco Pernice do Elvio Cogno.

Mas, apesar de não ser novidade pra mim (pois sou fã), o maior destaque vai para os fantásticos vinhos de Argiolas, da região de Sardegna. Seu Turriga é excepcional por profundidade e tipicidade, mas o meu favorito, também em função bolso esperto, é o Costera, um cannonau delicioso e com muitas especiarias.










0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...