segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Os vinhos Full-Terroir

Pedro Parra é um dos nomes mais relevantes e revolucionários da viticultura sulamericana, estando a frente de projetos como Altos las Hormigas e Zuccardi na Argentina,  Aristo e agora Clos de Fous no Chile. 

Clos de Fous pode se traduzir do francês como “Vinha dos Loucos”, e de fato o projeto tem uns toques, se não de loucura, certamente de ousadia.

Uma vinícola boutique formada por 4 amigos desde o colégio, cada um assumindo um papel fundamental: o viticultor, o enólogo, o terroir-hunter e o empresário que têm como objetivo um desejo comum: criar vinhos full terroir. A filosofia é emprestada da Borgonha, com o conceito de alcançar a produção de grandes vinhos com a menor intervenção humana possível, deixando o terroir se expressar por si só. Ou seja, selecionando as melhores uvas dos melhores terroirs chilenos para imprimir caráter próprio, mas ainda mantendo a essência da região de procedência.

Criada em 2008 já ganhou respeito do público e da imprensa internacional (com notas médias acima de 91 pontos), estando já posicionada no TOP 10 de produtores boutiques do Chile.


Tenho provado e selecionado 3 rótulos para o site de e-commerce do qual contribuo na curadoria de vinhos (Selo Reserva) e achei interessante compartilhar as minhas impressões por aqui também. Confira a seguir.

Locura 1 Chardonnay 2013:



Procedente de vinhedos do Valle de Colchagua. O vinho passa 12 meses em contato com as borras (Sur Lie) e uma pequena parcela matura em barricas de carvalho para adicionar complexidade e estrutura. Muito prazeroso. De cor amarelo palha com reflexos esverdeados, tem aromas de baunilha, flores brancas e fruta fresca (pêra, banana, pêssego) e nozes. Na boca tem um corpo médio, mas de bom volume, muito macio e untuoso. Boa complexidade e acidez refrescante levam para um final amanteigado e com notas minerais. (DEC 93)









Clos dês Fous Subsollum Pinot Noir 2012:



Blend de uvas procedentes de Valle de Aconcagua e Malleco. Não espere um pinot em estilo Borgonha, pois nitidamente estamos diante de um vinho com características de Novo Mundo, mas certamente é bem interessante. A cor é mais extraída para a média da casta, indo para um rubi escuro, mostrando de cara mais corpo. O nariz traz aromas de flores de campo e notas doces de fruta madura como morango, cereja e groselha. Já na boca mostra outra face, sendo um pouco mais “sério”, com alcaçuz, cassis, e especiarias em destaque, boa acidez e taninos redondos, para um conjunto geral bem harmônico. O leve toque de amargor no retrogosto o torna perfeito para gastronomia. (RP 91)








Clos de Fous Grillos Cantores Cabernet Sauvignon 2011:





Com 4 anos de vida está hoje em sua plena forma, mostrando caráter e complexidade. Cor rubi intenso, tem nariz de violetas cereja madura, cassis, pimentão, eucalipto e um leve toque animal. Corpo médio, boa estrutura e volume, com excelente acidez e taninos numerosos, mas bem domados. O final de boca re-propõe as sensações aromáticas acima, pedindo para mais um gole. (RP 91) (DES 91)











2 comentários:

  1. Que bom que o melhor blogueiro do vinho está produzindo em 2016. Saúde, meu amigo! Tom Meirelles

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Tom,
      Obrigado! Sem os amigos nao sou nada...
      Abração!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...